Glaucoma: tire suas dúvidas sobre este problema nos olhos

O glaucoma é um problema muito falado normalmente, mas que ainda é rodeado de dúvidas, mitos e verdades.

É considerado um conjunto de situações diversas e distintas que envolvem diretamente a pressão intraocular associada a uma neuropatia óptica (doença do nervo óptico).
Para facilitar a compreensão do conteúdo e te ajudar a tirar as suas dúvidas sobre este tema, prossiga com a leitura do material de hoje.

Afinal, o que é o glaucoma?

O glaucoma é uma doença que atinge diretamente o nervo óptico dos olhos e envolve de forma clara a perda de células da retina que são responsáveis por enviar impulsos nervosos ao cérebro.

Essa pressão intraocular quando acontece de forma elevada aumenta significativamente o risco para o desenvolvimento do glaucoma.
Mas é importante ressaltar que não existe um determinado valor da pressão intraocular para gerar o aparecimento da doença, o que quer dizer que uma pessoa pode desenvolver o glaucoma com uma pressão relativamente baixa e outra pode desenvolver com uma pressão mais alta, varia de paciente para paciente.

Por isso, ao notar qualquer mudança, é fundamental buscar por um especialista para averiguar o problema.

Outra informação relevante é sobre o tratamento do glaucoma. Quando o problema não é tratado, o glaucoma pode levar ao dano permanente do disco óptico da retina, o que causa uma perda progressiva no campo da visão e pode até mesmo progredir para a cegueira permanente. É por este motivo o glaucoma é um problema que deve ter toda a atenção.

Tipos de glaucoma

O glaucoma é dividido por tipos que são:

  • Glaucoma primário de ângulo aberto ou glaucoma crônico;
  • Glaucoma de ângulo fechado ou glaucoma agudo;
  • Glaucoma congênito;
  • Glaucoma secundário.

O problema varia de acordo com cada tipo de glaucoma e só um profissional pode diagnosticar com precisão qual é o tipo de cada um, de acordo com os exames solicitados.

E quais são os sintomas do problema?

Trata-se de uma patologia silenciosa, que em seus estágios iniciais não traz sintomatologia (o paciente não percebe nada). Um dos principais sinais do glaucoma é a perda da visão periférica.
Esta perda pode começar de forma sutil e até mesmo imperceptível, só em casos quando a perda é moderada ou severa que o paciente consegue notar no início.

Aos poucos essa perda pode se tornar a chamada ‘visão tubular’, que é quando apenas a visão central é notada. Ela se torna perceptível quando o paciente começa a esbarrar em objetos e até mesmo tropeçar, por conta da visão periférica ausente.

Quanto mais tempo demorar para o problema ser tratado, mais o campo de visão se torna estreito, dificultando a boa visão do portador.

O correto é buscar por um médico ao notar a primeira mudança na visão, já que quanto mais tarde, pior para tratar o problema.

Quais são os fatores de risco?

Alguns fatores de risco devem ser analisados, como:

  • Histórico familiar de envolvimento com a doença;
  • Pressão intraocular elevada;
  • Idade acima de 40 anos;
  • Pressão arterial alta ou elevada constamentemente;
  • Uso prolongado de medicamentos à base de corticóides;
  • Doenças nos olhos, como deslocamento da retina ou tumores.

Diagnóstico do problema

O diagnóstico do problema é feito através de exames passados por um oftalmologista. Dentre os exames solicitados pelo médico estão:

  • Acuidade visual: que pode detectar alterações na visão;
  • Tonometria: que confere a pressão intraocular;
  • Fotografia do nervo óptico: que documenta a aparência do nervo;
  • Campo visual: que verifica a perda de campo visual do paciente;
  • Exame com lâmpada de fenda: que verifica o interior e o exterior do olho.
  • Tomografia de Coerência Óptica (OCT): avalia a perda de células nervosas que formam o Nervo Óptico.

Outros exames podem ser solicitados, o que pode variar de paciente para paciente.

Informações relevantes

  • Segundo alguns dados gerados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) o glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo, perdendo apenas para a catarata;
  • No Brasil, a estimativa é de que aproximadamente 900 mil pessoas sofram com a doença;
  • O paciente não deve demorar para buscar por auxílio médico. Por se tratar de uma patologia grave, quanto mais o paciente demora a buscar um médico, maiores a chances de um problema irreversível no futuro.

Espero que o conteúdo tenha cessado as suas dúvidas sobre o glaucoma. Qualquer dúvida, entre em contato com a Viva Oftalmologia através do nosso site ou por nossos telefones. E se o conteúdo foi útil para você, compartilhe nas suas redes sociais para informar outras pessoas sobre a seriedade do glaucoma. Até o próximo conteúdo.

Atendimento
A Viva Oftalmologia é um centro clínico de referência especializado em oftalmologia com sede na Capital Federal.

Segunda a Sexta - 8h às 18h
Sábado - 8h30 às 12h


SGAS 616 – AV. L2 SUL – Conjunto A
Lotes 116/117 – Bloco C – Salas 201/11
Centro Clínico Linea Vitta – Asa Sul,
Brasília – DF CEP: 70200-760
Fone: (61) 3246-5555
email: atendimento@vivaoftalmo.com.br
Tel: (61) 3246-5555/ Whatsapp: (61) 9.9998-3098

Copyright® 2017 - Viva Oftalmologia - Todos os Direitos Reservados
Desenvolvido por Eixo digital

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?